domingo, 14 de dezembro de 2008

Leônico - O eterno biônico




Esse blogueiro que vos escreve é um grande entusista do esporte bretão. Preocupado em manter viva a memória do futebol baiano, firmo o compromisso de vez por outra, abordar os times de futebol da Bahia que aos poucos foram sumindo do cenário mas que permanecem vivos na memória daqueles com (bem) mais ou quase 30.



O primeiro a dar o ar da graça é o querido Leônico, o "moleque travesso" soteropolitano. O clube foi fundado em 03 de abril de 1940 por funcionários da empresa Carl Leoni Company. Daí o nome Leoni Co (abreviação de Company) - Associação Desportiva Leônico.As cores adotadas foram o grená e o branco.



Até 1960, o Leleco, como também é conhecido, disputou os campeonatos amadores organizados pela então Federação Bahiana de Desportos Terrestes. O ápice da equipe foi o campeonato baiano de profissionais em 1966. Aliás, nesse ano começaria a sina de ser "biônico" do Leônico. O Leleco não disputou o 1º turno devido a problemas com a Fonte Nova (o estádio estava fechado devido às péssimas condições de conservação, aliás problema antigo, crônico e eterno). Em protesto, Bahia, Leônico, Fluminense e Galícia recusaram-se a participar do certame.



Em 25 de novembro (curiosamente, mesma data do desabamento de parte da arquibancada em 2007) de 1966, o governo estadual solucionou o problema da "Fonte do Futebol" e os "rebeldes" foram admitidos para participarem do segundo turno. E foi nesse momento que a estrela do Leônico brilhou e a equipe conquistou o título mais importante da sua história.



A Campanha:




23/12/1966 - Leônico 5x0 Estrela de Março

30/12/1966 - Leônico 0-0 Ypiranga

06/01/1967 - Leônico 4-1 Guarany

19/01/1967 - Leônico 1-0 SMTC

17/02/1967 - Leônico 2-0 São Cristovão

23/02/1967 - Leônico 5-1 Galícia

03/03/1967 - Leônico 1-0 Fluminense

08/03/1967 - Leônico 1-1 Botafogo

12/03/1967 - Leônico 1-0 Vitória

27/03/1967 - Leônico 3-2 Bahia


Decisão do Título (melhor de 3)


02/04/1967 - Leônico 2-0 Vitória

09/04/1967 - Leônico 1-2 Vitória

16/04/1967 - Leônico 2-1 Vitória


Vou ficar devendo a escalação da equipe pois não é tarefa fácil. Mas assim que a encontrar, postarei aqui.

"O Leônico era o grande entre os pequenos e tem a admiração dos desportistas baianos.Ganhava os Bernardo Spectors quase todos. Bernardo Spector era uma taça disputada pelos clubes que não entravam no Nacional. Mantinha o emprego da boleirada o ano todo e divertia a galera nas preliminares. O Moleque Travesso ganhava muito torneio início e era time valente" afirma o cronista esportivo Paulo Leandro no site http://www.portalesportivo.com.br/


Em 79 e 85, o Leônico disputou o paquidérmico Brasileirão, disputando 38 jogos, vencendo 13, empatando 6 e perdendo 19. A equipe grená marcou 42 tentos, sofrendo 50, com um saldo negativo de 8. Na década de 80, por força dos regulamentos mirabolantes dos cartolas baianos, o time era sempre biônico nas fases finais.

Além do título de 1966, o Leônico chegou às decisões de 1978 e 1984, perdendo ambas para o Bahia, o tricolor de aço. Porém, foi campeão de 3 Torneios Início (1965, 1975 e 1978).

Entre os maiores nomes que vestiram o manto grená, destacaria Douglas, ídolo também no Bahia, o goleiro Iberê, de visual a la Coalhada e Ronaldo, artilheiro matador, que depois jogaria no Fluminense de Feira.

Depois da morte de João Guimarães o clube foi perdendo força e terminou sendo rebaixado em 1992 para a divisão de acesso do futebol baiano. Depois de fechar as portas e de um longo período de inatividade, a equipe ensaiou uma volta aos gramados. Porém, em 2007 protagonizou um dos maiores vexames da sua história ao tomar 10x0 do Guanambi, valendo pela segundona baiana. Houve queixas de facilitação do jogo por parte do Galícia (concorrente direto por uma vaga na final), além de denúncias de ameaça de morte destinadas ao goleiro do Leônico, que disse ter sido intimidado por torcedores do Guanambi. A polêmica obteve repercussão nacional e foi parar no TJD baiano, que anulou o resultado da partida e obrigou a FBF - Federação Baiana de Futebol - a marcar um novo jogo. Adicionalmente, o "Moleque Travesso" foi suspenso por um ano das competições profissionais por não apresentar médico em algumas partidas do campeonato.


Antes do vexame, as maiores derrotas foram um 6 a 0 para o Botafogo em 1972, um 8 a 1 que o Vitória de Osni, perturbado, emplacou em 1975. O Bahia deu 8 a 1 em 1981, quando o Leônico terminou o jogo com oito em campo. O máximo que o Leônico tinha tomado foi 9 a 0 do Bahia, em 1976, quando o titular ainda era Mickey, antes de Beijoca assumir a missão de levar o tricolor ao título que estava nas mãos do Vitória de Andrada e Fischer, campeão das duas primeiras fases.


Atualmente a diretoria do clube é encabeçada pelo vice-presidente e vereador Antônio Carlos da Silva, mais conhecido como "Bomba.


O livro "Leônico - 50 anos" de Guiovaldo Veiga, filho de Oswaldo Veiga, fundador do clube, é uma verdadeira memória viva do Leleco e do futebol baiano de um tempo que não volta mais.



Semelhanças entre o Leônico e o Juventus-SP:



  1. Ambos usam o grená e o branco como cores dos uniformes - camisa grená, calções brancos e meiões grenás;



  2. Ambos gostavam de aprontar pra cima dos grandes;



  3. Ambos gostam de aproveitar ex-jogadores em atividade em suas equipes;



  4. Ambos tem um título importante em suas vidas: Juventus, campeão da Taça de Prata (Brasileiro da 2º Divisão) de 1983 e Leônico, campeão baiano de 1966;



  5. Ambos tem uma torcida bem pequena e foram fundados por operários;e



  6. Ambos tem o apelido de "Moleque Travesso"



Por hoje é só, mas mais pra frente tentarei trazer mais fatos interessantes sobre o Leleco e de uma época que deixa saudades para os amantes do bom e velho futebol.




sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Quando um Gol faz aniversário


O gol é o momento mágico do futebol, principalmente quando bem trabalhado ou quando acontece num momento decisivo, embora para alguns mais pragmáticos seja apenas um detalhe. O fato é que gols também fazem aniversários, gols também ficam marcados para sempre na memória. E no último dia 3, um gol completou 30 anos. O gol que deu início à geração de ouro do Flamengo e foi o estopim para a fase mais vitoriosa do clube.


Naquele 3 de dezembro de 1978, Flamengo e Vasco decidiam o 2º turno do Campeonato Carioca. Em 1977, o Vasco havia vencido o maior rival nos penaltis e levado o título. No ano seguinte, o rubro-negro já havia vencido o primeiro turno e se conquistasse o segundo automaticamente seria campeão estadual depois de 4 anos. Naquele dia, o Flamengo precisava da vitória para evitar mais 2 jogos entre as duas equipes.


O Maracanã estava lotado, afinal era dia de "clássico dos milhões", mais de 120 mil pagantes acompanhavam a decisão, do lado rubro-negro Zico, Junior, Adílio e Cláudio Adão, do lado cruz-maltino Roberto Dinamite, Abel e o goleiro Leão. O jogo era muito importante, vice em 1977 e tendo feito má campanha no Brasileiro, o título representaria a consagração de uma geração que estava sendo formada dentro do clube mas que até então não havia conquistado nenhum título. O próprio Zico recentemente afirmou que um fracasso representaria o desmantelamento da equipe.


O jogo foi truncado, tendo o Flamengo mais volume de jogo e iniciativa, pois o Vasco estava fechadinho na busca pelo empate, já que era isso que precisava. Leão fechava o gol até os 41 minutos do 2º tempo, quando veio um escanteio dado de graça pelo Vasco. Segundo Zico, a jogada não foi ensaiada, apenas combinada. O time rubro-negro sabia que a zaga vascaína não era forte no jogo aéreo. O acertado era que em dado momento da partida a bola seria alçada na área para ver no que é que dava. O eterno camisa 10 da Gávea foi para a cobrança do tiro esquinado. A bola viajou até o meio da área para a cabeçada certeira e fulminante de Rondinelli, que veio lá de trás, a defesa vascaína apenas olhava para a bola e Abel ( o mesmo Abel Braga treinador) quase não saiu do chão.


O que se viu em seguida foi uma explosão típica de êxtase e barulho ensurdecedor que só um Maracanã lotado e a Nação Rubro-Negra podem proporcionar. O tiro fora certeiro. O Flamengo conquistava o título carioca e depois chegaria ao tri-estadual (1978,1979 e 1979 Especial), conquistaria o Brasileiro de 1980 e arrancaria rumo à Àmerica e ao Mundo em 1981. Esse gol de Rondinelli foi o embrião de inúmeras conquistas e da consolidação do Flamengo como maior torcida do Brasil.


Nos anos seguintes, os cartórios de norte ao sul do país registravam o nascimento de milhares de Rondinellis. O "Deus da Raça" conquistava o seu lugar no Hall of Fame Rubro-Negro e até hoje é reverenciado pela torcida.


Eis a ficha do jogo:


Flamengo 1 x 0 Vasco da Gama

3 de dezembro de 1978, no Maracanã

Árbitro: José Roberto Wright

Público: 120.433

Expulsões: Guina e Zico

Gol: Rondinelli (42 minutos do 2º tempo)

Flamengo: Cantarelli, Toninho, Manguito, Rondinelli e Júnior; Capergiani, Adílio e Zico; Marcinho, Cléber (Eli Carlos), e Tita (Alberto). Técnico: Cláudio Coutinho

Vasco: Leão, Orlando, Abel, Gaúcho e Marco Antônio; Helinho, Guina e Paulo Roberto; Wilsinho (Paulo César) Roberto Dinamite e Ramon (Paulinho). Técnico: Orlando "Titio" Fantoni


E assim com o passar dos anos gols importantes e fantásticos são lembrados pelos amantes do esporte bretão. O gol de Carlos Alberto, na final de 1970 é, talvez, o mais bonito pela construção da jogada, de todos os tempos. O de Maradona driblando meio time inglês no México, em 1986, é uma pintura. O gol de barriga de Renato Gaúcho no FlaxFlu de 1995. O gol de Raudinei no BaxVi decisivo de 1994. O gol de Petkovic no Tri do Flamengo contra o Vasco, de novo, em 2001 e por aí vai. Esses e muitos outros serão lembrados para sempre.


sexta-feira, 14 de novembro de 2008

A Fábula das Ações


A Fábula das Ações


Num pequeno e distante vilarejo, apareceu um homem anunciando que compraria burros por R$10,00 cada.


Como havia muitos burros na região,os aldeões iniciaram a caçada. O homem comprou centenas de burros a R$10,00, e como os aldeões diminuíram o esforço na caça, o homem anunciou que pagaria R$20,00 por cada burro.Os aldeões foram novamente à caça, mas, tão logo os burros foram escasseando, os aldeões desistiram da busca.


A oferta aumentou então para R$25,00, e a quantidade de burros ficou tão pequena que já não havia mais interesse em caçá-los.


O homem então anunciou que compraria cada burro por R$50,00! Como iria à cidade grande, deixaria seu assistente cuidando da compra dos burros.

Na ausência do homem, o seu assistente propôs aos aldeões:

- "Sabem os burros que o homem comprou de vocês? Eu posso vendê-los a vocês a R$35,00 cada. Quando ele voltar da cidade, vocês vendem a ele pelos R$50,00 que ele oferece, e ganham uma boa bolada".


Os aldeões pegaram suas economias e compraram todos os burros do assistente. Os dias se passaram, e eles nunca mais viram nem o homem,nem o seu assistente, somente burros por todos os lados.


Entendeu como funciona o mercado de ações?

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Entrando numa fria


Novamente iremos até a remota e vasta Sibéria.Yakutsk, não confundir com Yakult, é uma cidade de 200 mil habitantes nos confins da Sibéria Oriental. Embora não figure no tabuleiro do War, ela está presente num jogo genérico chamado Risk. Mas o título mais importante que ela ostenta é o de cidade mais fria do mundo.


Em Janeiro a média fica em torno de 40°C negativos. A nevoa que cobre a cidade restringe a visibilidade a 10 metros. Moradores em pesados casacos de pele passam pela praça central, adornada por uma arvore de Natal congelada e uma estatua de Lenin.


O visitante, corajoso o suficiente, que quiser ir até lá descobre que temperaturas na casa dos 40°C negativos são descritas como 'frio, mas não muito frio'.


Yakutsk é a capital de Yakutia. região que abrange mais de 2.6 milhões de quilômetros quadrados e onde vivem menos de 1 milhão de pessoas (ou seriam lactobacilos vivos?). A cidade fica a seis fusos horários de Moscou, mas a viagem leva seis horas num precário avião Tupolev. A passagem custa pelo menos RS 1,8 mil ida e volta, uma quantia considerável em um pais em que o salário médio é de R$ 930 por mês.


Não há ferrovia até Yakutsk. As outras opções são uma viagem de 1,6 mil quilometros de barco subindo o rio Lena,nos poucos meses do ano em que ele não está congelado, ou então a 'estrada dos Ossos', uma rodovia de 2 mil quilômetros construida por prisioneiros do Gulag (o sistema penal soviético).


Em Yakutsk a maioria dos carros é de importados japoneses de segunda mão, que aparentemente resistem melhor ao frio do que os veiculos russos tradicionais. Ainda assim, os moradores costumam deixar o motor funcionando se vão parar apenas por meia hora, e alguns deixam-no ligado o dia inteiro, durante o expediente de trabalho, para garantir uma temperatura minimamente tolerável na volta para casa.


A fumaça dos escapamentos contribui para a névoa que paira sobre a cidade. A região foi inicialmente conquistada pelos russos na década de 1630.No século 19 era usada como prisão aberta para dissidentes politicos. Anton Chekhov, em sua Jornada de 1890 pela Sibéria, pintou um quadro sombrio da vida dos prisioneiros dali. 'Eles perderam todo o calor que já tiveram', escreveu. 'As unicas coisas que lhes restam na vida sao vodka, vagabundas, mais vagabundas, mais vodka... Não são mais seres humanos, mas bestas selvagens.' Lenin e Stalin foram dois dos presos politicos exilados em Yakutsk.


A região é rica em ouro e diamantes, razão pela qual os soviéticos decidiram transformar Yakutsk num importante centro regional, primeiro com o sistema de trabalho forçado do Gulag, depois colonizando a região com milhares de voluntários em busca de aventura, melhores salários e a chance de construir o socialismo no gelo. A megaempresa Alrosa, responsavel por 20% da oferta mundial de diamantes brutos, tem sua sede na região. Com o tempo Yakutsk virou uma cidade de verdade, com hotéis, cinemas, uma ópera, universidades, entrega de pizza e ate zoológico.


Os operários continuam trabalhando na construção civil até os 50°C negativos (abaixo disso o metal se torna quebradiço) e as aulas só são suspensas quando o termômetro cai abaixo de menos 55°C (embora o jardim-de-infância feche com menos 50°C).


E, para finalizar, alguns dados sobre o frio e suas cortantes temperaturas:


A 5°C negativos o frio pode ser refrescante. A 20°C negativos a umidade no nariz se congela e fica difícil não tossir. A 35°C negativos a pele exposta ao ar fica dormente e a necrose é um risco. E a menos 45°C até usar óculos fica complicado. O metal gruda no rosto e nas orelhas e rasga pedaços da pele quando voce decide tirá-los.








sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Palau

Essa semana li que a Assembléia Geral da ONU aprovou nesta quarta-feira (29.10) por uma maioria arrasadora uma resolução que pede o fim do embargo econômico e comercial declarado há quase meio século pelos Estados Unidos contra Cuba.

O documento alcançou um apoio quase unânime dos 192 países que integram a ONU, já que 185 países votaram a favor, contra três (Estados Unidos, Israel e Palau) que foram contra, duas abstenções e dois países não votaram.

Esta é a 17ª vez consecutiva que Cuba apresenta à Assembléia Geral uma resolução que critica os efeitos negativos destas sanções unilaterais dos Estados Unidos e pede sua revogação.

Agora o que me atiçou a curiosidade no meio dessa celeuma imperialista yankee perante os nossos hermanos latinos de Cuba foi descobrir que diabos é Palau e aonde fica.

Consultando meus alfarrábios digitais, confirmei as minhas suspeitas e constatei que Palau é uma ilha na Micronésia. Na verdade. a República de Palau é um pequeno país insular da Micronésia, no Oceano Pacífico, entre os mares das Filipinas a oeste, Indonésia e Papua-Nova Guiné a sul e Estados Federados da Micronésia a leste. A sua capital é Melekeok.

Uma nova capital está sendo projectada para ser construída na ilha de Babeldaob, maior ilha do país e segunda maior da Micronésia, onde está situado o aeroporto.

Apesar de ser nominalmente um país independente, Palau assinou um Tratado de Livre Associação com os EUA - o que explica o apoio ao embargo econômico à Cuba. Agora o bicho deve tá pegando por lá diante dessa crise financeira que assola a maior potência mundial.


Segundo a minha pesquisa, os primeiros habitantes de Palau, provavelmente vindos da Indonésia, estabeleceram-se nessas ilhas há pelo menos 3000 anos. O explorador espanhol Ruy López de Villalobos “descobriu” as ilhas em 1543, mas os europeus não se preocuparam com elas até o século XIX, quando a Espanha pediu a arbitragem do Papa Leão XIII contra a Alemanha, que tinha loteado a área. Em 1899, depois da Guerra Hispano-Americana, a Espanha vendeu as ilhas (isso mesmo, vendeu) à Alemanha.

Por sua vez, os japoneses ocuparam as ilhas em 1914, administrando-as por mandato da Liga das Nações (embrião da ONU) a partir de 1920, mas depois da derrota na Segunda Guerra Mundial, as ilhas passaram a ser administradas pelos malditos yankees, como parte do Protetora Ilhas do Pacífico das Nações Unidas. Em 1979, os palauanos votaram não se juntar aos Estados Federados da Micronésia e preferiram a independência. Depois de longo e turbulento período de transição, que incluiu a morte violenta de dois dos seus presidentes (o assassinato de Haruo Remeliik, em 1985 e o suicídio de Lazarus Salii, em 1988), Palau votou em 1994 a favor de um Tratado de Livre Associação com os EUA. No entanto, esta "Livre Associação" tinha sido rejeitada pelos palauanos mais de 10 vezes, tendo em conta que os termos do tratado permitem aos EUA controlar 51% das ilhas em caso de “emergência nacional”.

Tá explicado pq Palau votou junto com os EUA pela manutenção de um embargo tão antigo e que afronta a soberania dos países latino-americanos.


Voltando à questão cubana, durante a Assembléia da ONU, o chanceler cubano, Felipe Pérez Roque, recebeu um apoio superior ao do ano passado, quando Cuba foi respaldada por 184 países e rejeitada por quatro.

"Vocês estão sozinhos, completamente isolados", disse pouco antes da votação Pérez Roque, dirigindo-se à delegação americana. Em seu discurso, o chanceler cubano disse que "sete em cada dez cubanos passaram a vida sob esta política irracional e inútil". "O bloqueio é mais velho que o senhor Barack Obama (o candidato democrata à Presidência dos EUA) e que toda minha geração", disse.

Pérez Roque destacou que o debate na ONU sobre o embargo dos EUA será realizado este ano com o cenário das eleições presidenciais americanas e a passagem, em agosto e setembro, de dois furacões pela ilha. O chanceler disse que os Estados Unidos responderam aos furacões "com seu habitual cinismo e hipocrisia", e criticou que Washington não tenha concordado com o pedido de permitir a compra, por parte de Cuba, de produtos americanos através de créditos privados.

Vamos ver se Obama ganhando muda alguma coisa nessa postura americana.

É ver para crer.

Hasta la victória Siempre!!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

O Mistério de Tungunska


Diversos fenômenos misteriosos são sempre alvo de curiosidade e estudo por parte do homem. O evento que irei tratar nesse post refere-se ao intrigante fenômeno que aconteceu em Tungunska, na Sibéria Central, na antiga e extinta União Soviética.



No dia 30 de junho de 1908, às 7h15 da manhã, houve uma gigantesca explosão após uma bola de fogo ter sido vista atravessando o céu. Não foram encontrados vestígios de meteorito, mas uma onda de impacto devastou toda a região do lago Baikal, afetando em menor grau todo o norte da Europa. Este evento recebeu o nome desta região, evento de Tunguska.


Segundo testemunhas, ao cruzar o céu e em seguida tocar o solo, uma bola de fogo gerou uma enorme explosão caindo próximo à bacia do Rio Tunguska, uma região remota e praticamente desabitada. Foram destruídos aproximadamente 2000 quilômetros quadrados de florestas em redor do local do suposto impacto devastando cerca de 50000 árvores.


O impacto fora tão violento que liberou uma energia 1000 vezes superior à explosão da bomba de Hiroshima. O estrondo foi ouvido a 800km de distância e há relatos de pessoas que estavam a mais de 60km do local disseram que sentiram uma forte onda de calor.


Para se ter uma idéia, durante dois dias em Londres, a cerca de dez mil quilômetros de distância do evento, se podia ler jornal à noite graças à luminosidade remanescente, enquanto a finíssima poeira dispersava-se na atmosfera terrestre se aproximando de regiões cada vez mais distantes.


Existem algumas teorias que tentam explicar o que aconteceu. Segundo físicos nucleares, pode ter sido algum fragmento de antimatéria destruído em energia ao se deslocar na atmosfera Terra lançando raios gama.


Entretanto, a ausência de radioatividade residual em quantidade significativa contradiz esta teoria.


Uma outra teoria aponta para a passagem de um minúsculo buraco negro pela Terra, porém não existem registros de ondas de choque provenientes do Atlântico Norte.


A única certeza e unanimidade no evento é a sua descrição: "a gigantesca explosão seguida de uma monumental onda de choque e incêndio na floresta."


Um outro fato intrigante é que, também, não existem vestígios de cratera de impacto na região.


A única explicação aceitável é a provável queda de um pedaço de cometa atingindo uma velocidade de entrada em torno de trinta quilômetros por segundo. Pode-se aceitar que seu tamanho poderia ter algo em torno de cem metros de comprimento, pesando cerca de um milhão de toneladas.


Os indícios encontrados por Emlen V. Sobotovich levam a crer que realmente o evento de Tunguska foi a queda de um pequeno cometa.


Os cometas são formados principalmente de gelo de metano (CH4), gelo de amônia (NH3), e gelo de água (H2O). Entrando na atmosfera da Terra com uma velocidade de 31 km por segundo, um objeto deste produzirá uma enorme bola de fogo que irradiará muita luz e energia, causará uma onda de vento de grande intensidade e temperatura que queimará instantaneamente árvores e o que estiver em seu caminho.


No caso de Tunguska o cometa desintegrado-se a 6km de altitude pela atmosfera terrestre explicaria a presença de pequenas esferas de silício espalhadas pela região e assim a ausência de cratera além de, segundo alguns, o achamento de micro-diamantes.Estes são formados pela enorme pressão e temperatura no momento de reentrada e no impacto com a superfície. A matéria prima é o carbono do metano do próprio cometa que se aquece rapidamente e não se dispersa, ao contrário do hidrogênio. Foram estes minúsculos diamantes que Sobotovich encontrou na região do suposto impacto. Estudiosos têm encontrado freqüentemente micro-diamantes em regiões impactadas por meteoritos que provavelmente se formaram em interiores cometários e sobreviveram à entrada na atmosfera.


Porém há outra corrente de pesquisadores que acreditam que o mais provável seja que a área tenha sido atingida por consecutivos impactos de asteróides.


E, há ainda, outra teoria de um cometa, sustentada por cientistas russos, em que se afirma que a explosão tenha sido causada por um violento choque de um cometa gasoso.


Para os que gostam de conspirações extraterrenas, o escritor russo Alexandre Kazantev, autor de livros de ficção científica, acredita que em 1948 uma nave espacial marciana teria se chocado contra a Terra. Tal hipótese foi até utilizada no jogo Destroy all Humans! 2 com a Terra servindo de refúgio para os alienigenas que teriam perdido uma guerra.


Especula-se que talvez esse meteoro tenha caído no lago, e não em solo, como dizem diversos especialistas. Estudos recentes mostram que mapas militares não traziam a informação de que haveria um lago na região. Talvez o impacto tenha aberto uma fenda em algum lençol freático e assim originado o lago. Os estudiosos afirmam que o fundo do lago tem o formato de um funil, além de linhas - supostamente as árvores que afundaram junto com o impacto. Os estudiosos que foram até o local dizem ainda que o resto do lago foi feito através da erosão do solo.



O fenômeno de Tunguska continua insolúvel até hoje devido à remotalidade do local, da época, da ausência de cratera ou provas mais concretas, mantendo misterioso o verdadeiro causador de tal centenário incidente.


Como diria Dona Milú, em Tieta do Agreste:


- Mistério!









quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Introdução (lá ele) ao baianês!



Ao contrário do que muitos pensam, o Baianês não é falado lentamente, mas sim cantando. Não existe o gerúndio, mas sim o gerúnio: o "d" no "-ndo" é excluído, o que resulta em falano, correno, ao invés de falando ou correndo.


Em baianês, uma frase nunca é concluída. Existem alguns verbos novos, como "bora" ou apenas "bó", que significa "vamos" (acompanhe a evolução: originalmente "vamos em boa hora" - "Vamos embora" - "Vumbora" - "'Bora" - "Bó") e também pode ser dito em forma repetitiva-poética como "borimbora" ("Vumbora embora") . Os exemplos abaixo só corroboram que existe uma capacidade inata no baiano em poupar energia.
O caso clássico consiste na evolução do "Vossa Mercê" em "Vosmissê", após no já comum
"Você", então no atualmente utilizado "Cê" e já foram encontrados casos de comunicação natural através do "Rummm" (som de grunido).

Algumas frases cotidianas

"E aí sacana?!" - Olá amigo.
"E aí carniça?!" - Olá amigo.
"Colé, meu bródi!" - Olá, amigo.
"Colé, miserê!" - Olá, amigo.
"Colé, meu peixe" - Olá, amigo.
"Colé, men!" - Olá, amigo.
"Diga aê, disgraça!" - Olá, amigo.
"Digái, negão!" - Olá, amigo. (independente da cor do amigo)
"E aí, viado!" - Olá, amigo. (independente da opção sexual do amigo)
"E ae, meu rei!?" - Olá amigo.
"Ô, véi!" - Olá amigo.
"Diga, mô pai!" - Oi para você também, amigo!
"E ai, miserê!" - Olá, amigo!
"ÊA!" - Olá, amigo.
"Colé de merma?" - Como vai você?
"É niuma, miserê" - Sem problemas, amigo.
"Relaxe mô fiu" - Sem problemas, amigo.
"Beléssa negáun" - Sem problemas, amigo.
"Cê tá ligado qui cê é minha corrente, né vei?" - Você sabe que é meu bom amigo, não é?
"Bó pu regui, negão?" - Vamos para a festa, amigo?
"Aí cê me quebra, né bacana" - Aí você me prejudica. Não é, amigo?
"Aooonde!" - De modo nenhum!
" Coleh, minha força?? ! - Como vai, amigo?
"Quem é doido?" - De modo nenhum!
"Aquele viado vive filando aula" - Aquele menino vive cabulando/faltanto a aula
"Vô ali ni umaz i ôta martigá um negocíum" - Vou na residência de uma mulher, em visita de caráter libidinoso.
"Vô quexá aquela pirigueti" - Vou paquerar aquela garota.
"Vô dirrubá aquela piveta" - Vou paquerar aquela garota.
"Vô cumê água" - Vou beber (álcool).
"Colé de merma ?" - O que é que você quer mesmo? (Caso notável de compactação!)
"Eu tô ligado que cê tá ligado na de colé de merma" - Estou ciente do seu conhecimento a respeito do assunto.
"Aquele bicho tira uma onda da porra". - Aquele sujeito é um fanfarrão.
"Tá me tirando de otário é?" - Está me fazendo de bobo?
"Tá me comediando é?" - Está me fazendo de bobo?
"Tá me tirando de mueda de 10 centavos?" - Está me fazendo de bobo?
"Se plante!" - Chamada ao combate físico
"Vô meté mão" - Avisando que vai bater
"Se bote ae, vá!" - Chamada ao combate físico
"Eu me saí logo" - Eu evitei a situação.
"Brocar" - Se sair bem em algo, realizar algo com sucesso.
"Shhh...Ai, mainhaaa" - Até hoje não se sabe a tradução. Sabe-se apenas que
nas músicas de pagode, o vocalista está excitado com sua respectiva amante.
"Oxe!" - Todo baiano usa essa expressão para tudo, mas um forasteiro nunca
acerta quando usa.
"Lá ele!" - Eu não, sai fora, ou qualquer outra situação da qual a pessoa
queira se livrar.
"Lasquei em banda!" - meteu sem dó nem pena.
"Biriba nela mô pai" - Manda ver! (no sentido sexual da coisa)
"Ó paí ó" - Olhe para aí, olhe! - Essa espressão foi utilizada pela
primeira vez pelo capitão português Manoel da Padaria a frente da Nau Bolseta, que por infortúnio (leia-se burrice) perdeu-se da frota portuguesa no caminho para as índias e veio parar na Bahia. Desde então foi resgatada pelo povo baiano, assíduo leitor de Camões, já que trata-se de um texto apócrifo d'Os Lusíadas, que nem os portugueses sabiam (Nenhum jamais
concluiu a leitura do clássico). É muito usada por aqui, tanto que virou filme, peça teatral, música, marca de refrigerante, água de coco, barzinho, cerveja, igreja...
"Num tô comeno reggae!" - Não estar acreditando ou dando muita importância.
"Num tô comeno reggae de (fulano)!" - Não estar com medo de provocação/ameaça de (fulano)
"Me faça uma garapa!" - Me poupe
"É o que rapaz?? " - Expressa surpresa, indignação
"Cê sabi que eu num como esse agá" - Não estar acreditando ou dando muita importância.
"Tome na sequencia misêre" - Tomar o troco de algo ruim que você fez
"Vou abrir meu gás" - Vou embora
"Eu quero prova e R$ 1,00 de Big-Big!" - O mesmo que a expressão acima. O
"Big-Big" é um chiclete muito valorizado por pessoas de todas as classes.
" O reggae foi massa!" - A festa foi boa
" Cê é abestalhado é, vey? " Você é bobo é, rapaz?
"Namoral, vey...se saia aew" - Sai daqui, agora
"Uisminoufai!" - Bebiba mais conhecida como "Sminorff Ice". Também é uma
música do grupo de pagode (desta mesma terra) chamado "Pagod'art".
"Deixe de onda, vey!! " - Deixe de frescura
"Deixe de viadagi"- Deixe de frescura
"Mininu, num bata nos filhu duzôto" - Filho, não bata no filho dos outros
" Vou ali armar um esquema" - Ir paquerar, ou fazer algo que não se possa comentar
"Sai do chão!" - Frase típica e predileta das bandas de axé. O intuito da
mesma é de que indivíduo se agite e curta o som tocado em questão.
"Rumaláporra!" - Agir violentamente contra alguém ou algo.
"Porra!" - expressão de surpresa
"Pooorra!" - expressão de admiração
"Porra!" - expressão de raiva
"Porra!" - expressão de alegria
OBS - Existem mais de 5000 diferentes usos para o verbete "porra" em Salvador.
"Vey!" - usado para chamar a atençao da pessoa com quem está falando.
"Veey" - aviso para alguém ter cuidado com algo.
"Veeey!" - expressa de discordância.
"Veeeey!" - expressão de surpresa.
"Veeeeeey" - expressão de fascinio.
OBS - Existem mais de 10000000 diferentes usos para o verbete "vey" em
Salvador.
"Vou pica-le a misera" - Agir violentamente contra alguém ou algo.
"Picá a porra!" - Agir violentamente contra alguém ou algo.
"Rumaládisgraça" - Agir violentamente contra alguém ou algo.
"ei, ó o auê aí ô" - tida como unica frase universal a utilizar apenas
vogais e ter sentido completo, significa 'parem de baderna.'
"Bó batê o baba" - Chamar os amigos para uma partida de futebol - O "Baba"
subentendido é um esporte similar ao futebol,com algumas diferenças: a bola
por exemplo pode ser qualquer tipo de material esférico, que vai desde cocos(fruta tipica) até Tua mãe.O lugar onde irá acontecer o baba preferêncialmente tem que ser uma área retangular-plana, mas como isso é raro em Salvador(a não ser nos prédios da Pituba) qualquer lugar serve!
"Bó pro reggae" - Chamar os amigos para a balada
Salvador é também conhecida por ser uma cidade cujo dialeto deu um LAR aos
mais diversos impropérios do cancioneiro popular local, possivelmente você
um dia já foi convidado a visitar "A casa da porra", "a casa do caralho", "a casa da desgraça"!
Lá também existe a "Casa de Noca" que ninguém sabe onde fica, mas sabe-se
que lá sempre o "couro come".

"Peguei uma Ponga" - Pegar carona, embarcar na idéia de alguém, pegar
ônibus ou trem em movimento
"Hoje eu to na bruxa" - Hoje eu to muito loco
"Num sei que, parará, caixa de fósforo" - Quando se quer dizer etc. Ex.:
"Aquele fila da puta do Janescro, disse que fez, aconteceu, num sei que,
parará e caixa de fósforo com Edilene."
" Ô injura, vá ali no Paes Mendonça" - Por favor filhinho, você pode ir no mercado?
"Fulano é um Zé ruela" - O cara é um babaca
"Deixe de chibiatagem" - Pare com essas atitudes frescas
"Tomo o Bob Nelson" - Ato de ser traído, trocado por outra pessoa com interesses sexuais
"Na mão grande" - Algo feito com poucos recursos, na marra
"Feito a culhão" - Algo feito com poucos recursos, na marra
"Recebi Foi a Galinha Pulando" - Problema ou situação inesperado de alto grau
"Rapaz, nem fudeno" - Não farei algo ou irei para lugar algum
"Quem vai é o cuêio" - Espressão para "Quem vai e o coelho"
"Cê vai cai no pau mermão!!" - Você vai apanhar cara!
"Bó vazá véi" - Vamos embora
"Deu um pé de pica da porra!" - Deu uma grande confusão
"Me tire de pobrema, vu!" - Não me envolva nisso!
"Parta a mil, parta vuado!" - Expressão que denuncia situação periculosa e inesperada.
"Vou chamar minha barrera" - Vou chamar meus amigos.
"Vô pegá a pista" - Estou indo embora.
"Vô pegá a BR" - Estou indo embora.
"Que porra é essa?" - O que é isso?
"Porra ninhuma" - Expressa dúvida sobre determinado assunto.
"Sai daí Fulera(o)" - Você esta errada amiga!
"Sei lá de quê" - Complementação de um caso
"Sai de bolo que você não é fermento" - Não se envolva porque você não tem nada a ver com isso.
"Dei o zignau" - Faltei a um compromisso ou contornei uma situação desagradável.
" Toma essa sopa de garfo" - problema inesperado
"Dei um ninja" - Escapei de um compromisso ou algo desagradável.
"Joguei" - Desferi um soco.
"Si jógui" - Enfrentar alguem.
"Vista sua roupa de macaco e dê seus pulo" - O problema é seu.
"Pô véi, tô in aguas!" - Poxa amigo, estou alcoolizado!
"Rapaiz!!!" - Que legal!!!
"Rapaiz!!!" - Será?
"Rapaiz!!!" - Entenda!!!
"Rapaiz!!!" - Não sei não...
"Rapaiz" - Pode ser usado como ameaça.
OBS - Existem mais de 10000 diferentes usos para o verbete "Rapaiz" em Salvador.

"Vou batê um banho" - Vou tomar banho.
"Essa bóia tá gostosa pra daná" - Esta comida está deliciosa.
"Tô tranpanu como quê" - Estou trabalhando muito.
"De oooooooooouji!" - Expressão dita estalando os dedos e balançando a mão,
referindo-se a algo acontecido há muito tempo.
"Viu sacana? u-um!" - Expressão usada para afirmar quando algum indivíduo faz alguma ação infeliz, ou sofre algum impecílio (Equivalente ao "Aí ó!Se fudeu").
"Vo mi imbora pa Sum Paulo" - Futuro frequentador do Patativa e do "
Shoppis " Interlagos ou Intercoco!!
"Fui Mandar o Telegrama" - Fui Defecar
"Fui jogar um barro/bater um barro - Fui Defecar.
"bó pu xopis?" - vamos ao shopping
"simbó cumpadi" - vamos
"ô minha cumadi?" - que negocio é esse?
"Ói" - OLHE
"fui comprar uns bagulho ai" - fui comprar umas coisas
"colé baêa?" - iai amigo (independente do time ou as vezas colé vitoria mais baêa é o tradicional)
"diga ai mãe" - e ai amiga
"pô pai" - pô cara,amigo...
"feche sua cara" - não se exiba
"feche sua cara" - me respeite

domingo, 5 de outubro de 2008

A Crise da Economia Americana

A CRISE DA ECONOMIA AMERICANA
(Explicada de forma didática)

Paul comprou um apartamento, no começo dos anos 90, por 300.000 dólares, financiado em 30 anos. Em 2006 o apartamento do Paul passou a valer 1,1 milhão de dólares.
Aí, um banco perguntou para o Paul se ele não queria uma grana emprestada, algo como 800.000 dólares, dando seu apartamento como garantia. Ele aceitou o empréstimo, fez uma nova hipoteca e pegou os 800.000 dólares. Com os 800.000 dólares, Paul, vendo que imóveis não paravam de valorizar, comprou três casas em construção dando como entrada algo como 400.000 dólares.

A diferença, 400.000 dólares, que Paul recebeu do banco, ele se comprometeu: comprou carro novo (alemão) para ele, deu um carro (japonês) para cada filho e com o resto do dinheiro comprou TV de plasma de 63 polegadas , notebooks, cuecas. Tudo financiado, tudo a crédito. A esposa do Paul, sentindo-se rica, sentou o dedo no cartão de crédito.
Em agosto de 2007 começaram a correr boatos que os preços dos imóveis estavam caindo. As casas que o Paul tinha dado entrada e estavam em construção caíram vertiginosamente de preço e não tinham mais liquidez. O negócio era refinanciar a própria casa, usar o dinheiro para comprar outras casas e revender com lucro. Fácil!

Parecia fácil. Só que todo mundo teve a mesma idéia ao mesmo tempo. As taxas que o Paul pagava começaram a subir (as taxas eram pós-fixadas) e Paul percebeu que seu investimento em imóveis se transformara num desastre. Milhões tiveram a mesma idéia do Paul. Tinha casa para vender como nunca.

Paul foi agüentando as prestações da sua casa refinanciada, mais as das três casas que ele comprou, como milhões de compatriotas, para revender, mais as prestações dos carros, das cuecas, dos notebooks, da TV de plasma e do cartão de crédito. Aí as casas que o Paul comprou para revender ficaram prontas e ele tinha que pagar uma grande parcela.

Só que neste momento Paul achava que já teria revendido as três casas mas ou não havia compradores, ou os que havia só pagariam um preço muito menor que o Paul havia pago. Paul se danou. Começou a não pagar aos bancos as hipotecas da casa que ele morava e das três casas que ele havia comprado como investimento. Os bancos ficaram sem receber de milhões de especuladores iguais a Paul.

Paul optou pela sobrevivência da família e tentou renegociar com os bancos que não quiseram acordo. Paul entregou aos bancos as três casas que comprou como investimento perdendo tudo que tinha investido. Paul quebrou. Ele e sua família pararam de consumir...
Milhões de Pauls deixaram de pagar aos bancos os empréstimos que haviam feito baseados nos preços dos imóveis. Os bancos haviam transformado os empréstimos de milhões de Pauls em títulos negociáveis. Esses títulos passaram a ser negociados com valor de face. Com a inadimplência dos Pauls, esses títulos começaram a valer pó. Bilhões e bilhões em títulos passaram a nada valer e esses títulos estavam disseminados por todo o mercado, principalmente nos bancos americanos, mas também em bancos europeus e asiáticos. Os imóveis eram as garantias dos empréstimos, mas esses empréstimos foram feitos baseados num preço de mercado desse imóvel... Preço que despencou.

Um empréstimo foi feito baseado num imóvel avaliado em 500.000 dólares e de repente passou a valer 300.000 dólares e mesmo pelos 300.000 não havia compradores.
Os preços dos imóveis eram uma bolha, um ciclo que não se sustentava, como os esquemas de pirâmide, especulação pura. A inadimplência dos milhões de Pauls atingiu fortemente os bancos americanos que perderam centenas de bilhões de dólares. A farra do crédito fácil um dia acaba. Acabou.

Com a inadimplência dos milhões de Pauls, os bancos pararam de emprestar por medo de não receber. Os Pauls pararam de consumir porque não tinham crédito. Mesmo quem não devia dinheiro não conseguia crédito nos bancos e quem tinha crédito não queria dinheiro emprestado. O medo de perder o emprego fez a economia travar. Recessão é sentimento, é medo. Mesmo quem pode, pára de consumir.

O FED começou a trabalhar de forma árdua, reduzindo fortemente as taxas de juros e as taxas de empréstimo interbancários. O FED também começou a injetar bilhões de dólares no mercado, provendo liquidez. O governo Bush lançou um plano de ajuda à economia sob forma de devolução de parte do imposto de renda pago, visando incrementar o consumo, porém essas ações levam meses para surtir efeitos práticos. Essas ações foram corretas e, até agora não é possível afirmar que os EUA estão tecnicamente em recessão. O FED trabalhava. O mercado ficava atento e as famílias esperançosas.

Até que o impensável aconteceu. O pior pesadelo para uma economia aconteceu: a crise bancária, correntistas correndo para sacar suas economias, boataria geral, pânico. Um dos grandes bancos da América, o Bear Stearns, amanheceu, na segunda feira última, quebrado, insolvente.

O próprio FED, de forma inédita, fez um empréstimo ao Bear, apoiado pelo JP Morgan Chase, para que o banco não quebrasse. Depois disso o Bear foi vendido para o JP Morgan por dois dólares por ação. Há um ano elas valiam 160 dólares.

Durante as primeiras semanas de setembro dezenas de boatos voltaram a acontecer sobre quebra de bancos. A bola da vez seria o Lehman Brothers, um bancão. O mercado e as pessoas seguem sem saber o que nos espera na próxima segunda-feira. O que começou com o Paul hoje afeta o mundo inteiro.
A coisa pode estar apenas começando. Só o tempo dirá.

No dia 15 de Setembro de 2008, o Lehman Brothers pediu falência, desempregando mais de 26 mil pessoas e provocando uma queda de mais de 500 (quinhentos ) pontos no Índice Dow Jones, que mede o valor ponderado das ações das 30 maiores empresas negociadas na Bolsa de Valores de New York - a maior queda em um único dia, desde a quebra de 1929.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Recebi este texto por email. Achei-o muito interessante e agoro publico neste blog.

O mundo conforme Casciari(por Hernan Casciari)

Li uma vez que a Argentina não é nem melhor, nem pior que a Espanha, sóque mais jovem. Gostei dessa teoria e aí inventei um truque paradescobrir a idade dos países baseando-me no 'sistema cão'.Desde meninos nos explicam que para saber se um cão é jovem ou velho,deveríamos multiplicar a sua idade biológica por 7.

No caso de países temos que dividir a sua idade histórica por 14 para conhecer a sua correspondência humana.Confuso?

Neste artigo exponho alguns exemplares reveladores.Argentina nasceu em 1816, assim sendo, já tem 190 anos. Se dividimos estes anos por 14, a Argentina tem 'humanamente' cerca de 13 anos e meio, ou seja, está na pré-adolescência. É rebelde, se masturba, não tem memória, responde sem pensar e está cheia de acne.Quase todos os países da América Latina têm a mesma idade, e como acontece nesses casos, eles formam gangues. A gangue do Mercosul é formada por quatro adolescentes que tem um conjunto de rock. Ensaiam em uma garagem, fazem muito barulho, e jamais gravaram um disco.

A Venezuela, que já tem peitinhos, está querendo unir-se a eles para fazer o coro. Em realidade, como a maioria das mocinhas da sua idade,quer é sexo, neste caso com Brasil que tem 14 anos e um membro grande.O México também é adolescente, mas com ascendente indígena. Por isso, ri pouco e não fuma nem um inofensivo baseado, como o resto dos seus amiguinhos. Mastiga coca, e se junta com os Estados Unidos, um retardado mental de 17 anos, que se dedica a atacar os meninos famintos de 6 anos em outros continentes.

No outro extremo, está a China milenária. Se dividirmos os seus 1.200 anos por 14 obtemos uma senhora de 85, conservadora, com cheiro a xixi de gato, que passa o dia comendo arroz porque não tem - ainda - dinheiro para comprar uma dentadura postiça. A China tem um neto de 8 anos, Taiwan, que lhe faz a vida impossível.Está divorciada faz tempo de Japão, um velho chato, que se juntou às Filipinas, uma jovem pirada, que sempre está disposta a qualquer aberração em troca de grana.

Depois, estão os países que são maiores de idade e saem com o BMW do pai. Por exemplo, Austrália e Canadá. Típicos países que cresceram ao amparo de papai Inglaterra e mamãe França, tiveram uma educação restrita e antiquada e agora se fingem de loucos. A Austrália é uma babaca de pouco mais de 18 anos, que faz topless e sexo com a África do Sul. O Canadá é um mocinho gay emancipado, que a qualquer momento pode adotar o bebê Groenlândia para formar uma dessas famílias alternativas que estão em moda.

A França é uma separada de 36 anos, mais puta que uma galinha, mas muito respeitada no âmbito profissional. Tem um filho de apenas 6 anos:Mônaco, que vai acabar virando puto ou bailarino... ou ambas coisas. É a amante esporádica da Alemanha, um caminhoneiro rico que está casado comÁustria, que sabe que é chifruda, mas que não se importa.A Itália é viúva faz muito tempo. Vive cuidando de São Marino e doVaticano, dois filhos católicos gêmeos idênticos. Esteve casada em segundas núpcias com Alemanha (por pouco tempo e tiveram a Suíça), mas agora não quer saber mais de homens. A Itália gostaria de ser uma mulher como a Bélgica: advogada, executiva independente, que usa calças e fala de política de igual para igual com os homens (A Bélgica também fantasia de vez em quando que sabe preparar espaguete).

A Espanha é a mulher mais linda de Europa (possivelmente a França seja igual a ela, mas perde espontaneidade por usar tanto perfume). É muito tetuda e quase sempre está bêbada. Geralmente se deixa foder pelaInglaterra e depois a denuncia. A Espanha tem filhos por todas as partes(quase todos de 13 anos), que moram longe. Gosta muito deles, mas a perturbam quando têm fome, passam uma temporada na sua casa e assaltam sua geladeira.Outro que tem filhos espalhados no mundo é a Inglaterra. Sai de barco de noite, transa com alguns babacas e nove meses depois, aparece uma nova ilha em alguma parte do mundo. Mas não fica de mal com ela. Em geral, as ilhas vivem com a mãe, mas a Inglaterra as alimenta. A Escócia e aIrlanda, os irmãos de Inglaterra que moram no andar de cima, passam a vida inteira bêbados e nem sequer sabem jogar futebol. São a vergonha da família.A Suécia e a Noruega são duas lésbicas de quase 40 anos, que estão bem de corpo, apesar da idade, mas não ligam para ninguém. Transam e trabalham, pois são formadas em alguma coisa. Às vezes, fazem trio com aHolanda (quando necessitam maconha); outras vezes cutucam a Finlândia,que é um cara meio andrógino de 30 anos, que vive só em um apartamento sem mobília e passa o tempo falando pelo celular com Coréia.

A Coréia (a do sul) vive de olho na sua irmã esquizóide. São gêmeas, mas a do Norte tomou líquido amniótico quando saiu do útero e ficou estúpida. Passou a infância usando pistolas e agora, que vive só, é capaz de qualquer coisa. Estados Unidos, o retardadinho de 17 anos, a vigia muito, não por medo, mas porque quer pegar as suas pistolas.Israel é um intelectual de 62 anos que teve uma vida de merda. Faz alguns anos, Alemanha, o caminhoneiro, não a viu e a atropelou. Desde esse dia, Israel ficou que nem louco. Agora, em vez de ler livros, passa o dia na sacada jogando pedras na Palestina, que é uma mocinha que está lavando a roupa na casa do lado.

Irã e Iraque eram dois primos de 16 que roubavam motos e vendiam as peças, até que um dia roubaram uma peça da motoca dos Estados Unidos e acabou o negocio para eles. Agora estão comendo lixo.O mundo estava bem assim até que, um dia, a Rússia se juntou (sem casar)com a Perestroika e tiveram uma dúzia e meia de filhos. Todos esquisitos, alguns mongolóides, outros esquizofrênicos.Faz uma semana, e por causa de um conflito com tiros e mortos, nós, os habitantes sérios do mundo, descobrimos que tem um país que se chamaKabardino-Balkaria. É um país com bandeira, presidente, hino, flora,fauna... e até gente! Eu fico com medo quando aparecem países de pouca idade, assim de repente. Que saibamos deles por ter ouvido falar e ainda temos que fingir que sabíamos, para não passar por ignorantes.Mas aí, eu pergunto: por que continuam nascendo países, se os que já existem ainda não funcionam?

NOTA SOBRE O AUTOR: Hernán Casciari nasceu em Mercedes (Buenos Aires), a16 de março de 1971. Escritor e jornalista argentino. É conhecido porseu trabalho ficcional na Internet, onde tem trabalhado na união entreliteratura e blog, destacado na blognovela. Sua obra mais conhecida narede, "Weblog de una mujer gorda", foi editada em papel, com o título:"Más respeto, que soy tu madre".

domingo, 10 de agosto de 2008

A Greta Garbo do Pop


ABBA foi um quarteto pop sueco que vendeu mais de 350 milhões de discos em todo mundo. A coletânea ABBA Gold (sozinha vendeu mais de 40 milhões de cópias) ficou mais de 400 semanas entre os mais vendidos. Os quatros membros acabaram virando dois casais (Benny Anderson e Anni-Frid Lyngstad, Bjorn Ulvaus e Agnetha) mas após todo o sucesso e inúmeras turnês, os casamentos terminaram e desta forma o grupo teve que encerrar as atividades em 1982.

Quando se fala em ABBA logo me vêm à cabeça “Dancing Queen”, música obrigatória em 10 entre 10 festas de casamentos, 15 anos etc. Essa canção é tão poderosa que inspirou o riff de Pretty Vacant, dos Sex Pistols, mas isso já é outra estória.

Recentemente o grupo reapareceu na premier do filme Mamma Mia, baseado num musical com composições do grupo que há anos é sucesso em Londres, com adaptações sendo apresentadas nos quatro cantos do mundo.

Irei contar um pouco da estória de Agnetha Faltskog, que era a loirinha de dentes separados e um dos A´s do ABBA.

Agnetha nasceu em Jokoping em abril de 1950. Aos 19 conheceu Bjorn Ulvaus e se apaixonou. Casaram-se em 1971 e três anos depois o ABBA ganhava o Eurovision, festival de música mais importante da Europa (como se fosse o Canta Nordeste, apenas para efeito comparativo).

A estória de problemas de Agnetha começa em 1979, ano em que terminava o seu casamento. O casal teve dois filhos: Linda e Christian. Uma semana depois do divórcio, Bjorn já desfilava com uma nova namorada enquanto Agnetha procurava ajuda psiquiátrica.

Depois disso, as longas tournês viraram uma tortura, juntando-se a isso a saudade dos filhos e o difícil relacionamento com Ann-Frid ou Frida. Após escapar de uma tempestade a bordo do jatinho do grupo, Agnetha desenvolveu uma fobia a aviões no estilo BA Baracus, do Esquadrão Classe A. Até o fim do grupo, foi obrigada a usar o aparelho inventado por Santos Dumont. Depois disso nunca mais viajou de aviões na vida.

Logo se tornaria reclusa e sumiria dos holofotes.

Em 1990, Agnetha casou-se, pela segunda vez, com o cirurgião Tomas Sonnenfeld. A seu pedido, ninguém ficou sabendo disso. O casamento durou apenas dois anos.O mundo só foi saber disso em 2005.

A década de 90 revelou-se então ser o inferno astral da loira. Sua mãe cometeria suicído, jogando-se do sexto andar do apartamento onde morava. Um ano depois, seria a vez do pai, desta vez, talvez, de melancolia. Como se não bastasse tudo isso, ela ainda teve que encarar um fã holandês que a seguiu por dois anos. Após a polícia ser chamada para investigar, Agnetha começou a namorar o fã obcecado por ela, o caminhoneiro holandês Gert Van der Graaf. Após dois anos, o namoro terminou e ela se mudou para o interior do país, indo morar em uma pequena vila. Segundo os vizinhos ela mal os cumprimenta.

Criou-se então o mito de que Agnetha estava seguindo o caminho de Greta Garbo, que passou os últimos anos de vida reclusa. Essa pecha a irrita profundamente. Em uma entrevista, ela disse que “espalharam que eu me escondo, que sou a nova Garbo. Não é bem assim. Eu só quero ficar quieta e viver em paz”.

Em 2004, Agnetha lançou um disco de covers dos anos 60 entitulado “My Colouring Book”, que ficou 25 semanas nas paradas de sucesso da Suécia. Embora tenha feito algum trabalho de divulgação do disco não demoraria muito para ela voltar à reclusão.

Por isso a mídia ficou surpresa quando ela compareceu ao lançamento do filme Mamma Mia em Estocolmo, ao lado da ex-companheira de banda Frida e da atriz Meryl Streep. Contudo, ela não quis posar para fotos com os demais membros da banda.

A explicação dada foi que se tratava da divulgação de um filme e não da banda.

A última vez que os quatro foram vistos juntos em público foi há 21 anos. É fato notório que não há mais contato entre eles.

Segundo Steffan Linde, porta-voz de Agnetha, “os produtores do filme convidaram os integrantes do ABBA separadamente e todos eles decidiram vir. Não foi nada organizado pelo ABBA”.

Linde ainda tratou de descartar qualquer possibilidade de uma possível reunião de Agnetha com os demais seja para turnê ou gravação de disco. Em 2000 o grupo recebeu uma proposta de um bilhão de dólares para reunir-se novamente. Na época Bjorn disse que eles não topariam nem se o valor fosse dobrado.

Essa é um pouco da estória de uma verdadeira popstar, que odeia reconhecer a sua participação na história do pop, integrante do segundo grupo mais famoso da história, atrás apenas dos The Beatles.




quarta-feira, 30 de julho de 2008

Lampião - O Mito


Passados 70 anos de sua morte, completadas no último dia 28 de julho, o medo provocado pela presença física ou até mesmo pelas histórias e lendas contadas sobre Lampião ainda persiste. O rei do cangaço morreu há 70 anos, na Grota de Angicos, em Poço Redondo (SE), durante uma cocó montada pelos policiais. O cangaço terminou em 1940, mas mesmo assim as pessoas, principalmente no Nordeste do país, sentem caruara quando se fala em Lampião.


Inúmeras lendas sobre Virgulino Ferreira, "bandoleiro das selvas nordestinas" conforme cantou Zé Ramalho, ainda persistem. Um dos principais estudiosos sobre o fenômeno do cangaço João Souza Lima, que mora em Paulo Afonso (BA), elenca algumas delas.


Testículos na gaveta - um cabra safado estava cometendo incesto e foi flagrado por Lampião. O cangaceiro separou o casal e foi trocar uma idéia com o rapaz. Ele falou para o homem que era para colocar os testículos na gaveta e fechar com chave. Lampião, então, colocou um punhal sobre o criado-mudo e disse: "Volto em dez minutos, se você ainda estiver aqui eu te mato".


Crianças no punhal - o povo, com medo da fama de violento de Lampião, acreditava em todas as histórias sobre o cangaço. Uma delas foi criada com o objetivo de afugentar os sertanejos que ajudavam a esconder os cangaceiros, os conhecidos coiteiros. As volantes (polícia da época) espalharam que Lampião matava crianças com punhal. Segundo uma das histórias contadas pelos policiais, o cangaceiro jogava as crianças para o alto e as parava com um punhal.


Lampião Macaco - outra lenda diz que Lampião só conseguia se esconder na mata durante as perseguições das volantes porque subia nas árvores e fugia pelos galhos das copas. Segundo Lima, isso foi publicado em um livro sobre o cangaço como se fosse verdade e muita gente ainda acredita nessa história, desmentida por ele e outros especialistas. “Quem conhece a caatinga sabe que na região onde Lampião passou não havia árvores com copas.”


O Fumante - Lampião teria sentido vontade de fumar e sentido o cheiro da fumaça de cigarro. Ele caminha um pouco e encontra um cabra fumando. O cangaceiro vai até o homem e pergunta se ele fuma. O indivíduo vira para olhar quem conversava com ele e, assustado por ver que era Lampião, responde com medo: "Fumo, mas se quiser eu paro agora mesmo!".


O Sal - diz a lenda, contada nas rodas de amigos no Nordeste até hoje, que Lampião chegou à casa de uma senhora e pediu que ela fizesse comida para ele e para os cangaceiros. Ela cozinhou e, com medo da presença de Lampião em sua casa, esqueceu de colocar sal durante o preparo.


Um dos cangaceiros do grupo de Lampião reclamou que a comida estava sem gosto. O rei do cangaço, então, teria pedido um pacote de sal para a mulher. Ele despejou o sal na comida servida ao cangaceiro reclamante e o forçou a comer todo o prato. O integrante do grupo de Lampião teria morrido antes mesmo de terminar de comer.


E assim, inúmeras outras lendas sobre o rei do cangaço ainda habitam o imaginário do sertanejo. Passando de geração em geração com certeza ainda irão continuar mantendo aceso o Lampião por muitos e muitos anos.

terça-feira, 29 de julho de 2008

O Buraco é Mais Embaixo


Passageiros e tripulação de um Boeing 747-400 que fazia o vôo QF30 (Londres-Hong Kong-Melbourne) da empresa australiana Qantas tomaram um susto na última sexta-feira. Logo após decolar da escala em Hong Kong, uma forte explosão no compartimento de carga levou à despressurização da cabine, deixando um buraco do tamanho de um cargo na fuselagem.

Milagrosamente a aeronave pousou com segurança em Manila, nas Filipinas e os 346 passageiros e 19 tripulantes sairam ilesos. Mas eles ficaram chocados com o tamanho do buraco na fuselagem.

Alguns passageiros relataram que ouviram um bang e logo depois pedaços do teto e do chão foram arrancados e as máscaras de oxigênio despencaram. O jato rapidamente sofreu descomprensão por cerca de cinco minutos.

O comandante do vôo, John Bartels, foi alçado à condição de herói, juntamente com a tripulação, pelos passageiros.

As investigações já começaram e alguns pontos levam ou ao desgaste da fuselagem (o avião possui mais de 17 anos de fabricação) ou a algo relacionado com os compressores de oxigênio que se situam exatamente no compartimento de carga).

A Qantas é a terceira empresa aérea mais antiga do mundo e uma das mais seguras. Seu último acidente fatal ocorreu em 1951 quando um avião a hélice caiu em Nova Guiné, matando sete pessoas. A empresa de 88 anos se orgulha de “nunca ter perdido um avião”, feito que o personagem autista de Dustin Hoffman notabilizou no filme “Rain Man”.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Só sei que foi assim.


Quem diria Chicó é Campeão Colombiano de futebol. Com certeza esse será o segundo time (ou mesmo o único time) de todo fã de Ariano Suassuna na próxima Taça Libertadores.




O homônimo do personagem do grande Suassuna é um exemplo de perseverança e de sangue novo no futebol colombiano. O clube nasceu em 1997 sob o nome de Chicó Fútbol Club, em homenagem ao bairro Chicó, na localidade de Chapinero, distrito de Bogotá. Assim, começou a disputar a Série C, tornando-se campeão em 2000. Em 2001, na sua primeira participação na Série B, a equipe fez uma boa campanha, classificando-se para o Quadrangular Final porém foi superado pelo Deportes Quindio. Aos poucos, foi se consolidando como terceira força da capital colombiana.

Em 2002, o clube virou empresa e adotou uma nova razão social: Club Deportivo Bogotá Chicó Fútbol Club. Mantendo a regularidade, a equipe chegou até às semi-finais mas acabou sendo derrotada pelo eventual campeão Centauros Villavicencio. Após sofrer da "Síndrome de Vasco da Gama ou Vitorinha", como queira, em 2003, adotando o nome de Manpower Chicó (em referência ao patrocinador, fabricante de jeans) finalmente, faturou a Segundona, batendo o Pumas de Casanare, subindo, consequentemente, à Primeira Divisão.

Na primeira participação na Série A, em 2004, Chicó fez história, tornando-se a primeira equipe recém-promovida a alcançar o quadrangular final do Torneio Apertura. Assim como na Argentina, a Colômbia possui dois campeonatos - o Apertura e o Clausura, adotando o sistema de play-offs, o que o diferencia do sistema argentino.

Após fazer um desastroso Clausura, onde escapou do rebaixamento, diante da baixa presença de público e da falta de patrocinadores, a direção do clube aceitou o convite do governo do Departamento (Estado) de Boyacá e mudou a sede esportiva e administrativa para a cidade de Tunja. Desta forma, em 2005, a equipe passou a chamar-se Boyacá Chicó Fútbol Club. É o primeiro clube empresa da Colômbia.

A estréia na Libertadores aconteceu em 2008, na fase preliminar, porém, o Chicó foi eliminado pelo chileno Audax Italiano, que depois enfrentou o São Paulo.

No último dia 06, o Chicó sagrou-se campeão colombiano da Primeira Divisão pela primeira vez ao vencer o América de Cali na final do Torneio Apertura. Após dois empates em 1x1, o placar na decisão de penaltis terminou 4x2.


Desta forma, o Boyacá Chicó é a primeira equipe colombiana a ganhar as três divisões e já assegurou vaga na fase de grupos da Libertadores 2009.


O técnico da equipe ajedrezada (o uniforme lembra um tabuleiro de xadrez) Alberto Gamero, no cargo desde 2006, quando perguntado sobre qual o segredo de tanto sucesso, respondeu de bate pronto:


-" Não sei, só sei que foi assim".








segunda-feira, 7 de julho de 2008

Apertem os cintos, o piloto dormiu!


O piloto e o co-piloto de um avião da companhia aérea Air India dormiram durante um vôo e passaram do aeroporto de destino.


Os controladores aéreos tentaram entrar em contato com a tripulação do vôo que havia partido de Dubai com destino a Mumbai, mas não foram bem-sucedidos e já estavam inclusive cogitando a hipótese de que se tratasse de um ataque terrorista.


O episódio foi divulgado pelo Times of India, que cita como fontes o ministério da Aviação do país, a companhia aérea e o próprio aeroporto no qual o avião deveria aterrissar.


De acordo com o jornal, a aeronave tinha 100 passageiros a bordo. Cansada, já que se tratava de um vôo noturno, a tripulação ligou o piloto automático e caiu no sono.


Os funcionários do aeroporto chegaram a acionar os procedimentos de emergência quando desconfiaram de que a aeronave poderia ser vítima de um ato terrorista.

Mas, como a situação parecia calma demais, a torre de controle desconfiou que pudesse se tratar de um "cochilo".


A solução foi enviar uma série de sinais de áudio em alta freqüência para despertar o piloto e o co-piloto.



sexta-feira, 4 de julho de 2008

O Quereres

Aqui vai uma homenagem a um certo Caetano Veloso
Essa letra é uma das coisas mais bonitas da Música Brasileira
E vem de lá de Santo Amaro da Purificação

O Quereres

Onde queres revólver, sou coqueiro
Onde queres dinheiro, sou paixão!
Onde queres descanso, sou desejo
E onde sou só desejo, queres não!
E onde não queres nada, nada falta
E onde voas bem alto, eu sou o chão
E onde pisas no chão
Minha alma salta: e ganha liberdade na amplidão...

Onde queres família, sou maluco
E onde queres romântico, burguês!
Onde queres leblon, sou pernambuco
E onde queres eunuco, garanhão!
E onde queres o sim e o não, talvez
Onde vês, eu não vislumbro razão!
Onde queres o lobo, eu sou o irmão
E onde queres cowboy, eu sou chinês!
Ah, bruta flor do querer...
Ah, bruta flor, bruta flor!

Onde queres o ato, eu sou o espírito
E onde queres ternura, eu sou tesão!
Onde queres o livre, decassílabo
E onde buscas o anjo, eu sou mulher!
Onde queres prazer, sou o que dói
E onde queres tortura, mansidão!
Onde queres o lar, revolução
E onde queres bandido, eu sou o herói!

Eu queria querer-te amar o amor,
Construírmos dulcíssima prisão
E encontrar a mais justa adequação
Tudo métrica e rima e nunca dor!
Mas a vida é real e é de viés,
E vê só que cilada o amor me armou
Eu te quero e não me queres como sou;
Não te quero e não me queres como és...

Ah, bruta flor do querer...
Ah, bruta flor, bruta flor!

Onde queres comício, flipper vídeo
E onde queres romance, rock'n roll!
Onde queres a lua, eu sou o sol
Onde a pura-natura, o inseticídeo!
E onde queres mistério, eu sou a luz
Onde queres um canto, o mundo inteiro!
Onde queres quaresma, fevereiro;
E onde queres coqueiro, eu sou obus!

O quereres e o estares sempre a fim,
Do que em mim é em ti tão desigual...
Faz-me querer-te bem;
Querer-te mal:Bem a ti, mal ao quereres assim:
Infinitivamente impessoal
E eu querendo querer-te sem ter fim!
E querendo-te,Aprender o total...
Do querer que há
E do que não há em mim!

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Respeita a Puliça


No dia de São Pedro, quem comandou a festa foi a Puliça. Que show companheiros. O sol estava meio tímido mas São Pedro evitou que meus temores se concretizassem e algumas nuvens que ameaçavam chuva se dissipiram no cair da noite no Hyde Park. Eram 20h15m quando Mr. Stuart Copeland, um dos melhores bateristas do mundo, saiu tocando o potente gongo sendo seguido por Andy Summers e os acordes de "Message in a Bottle".


Sting, com seu visual a la Nô de Riacho Doce, continua tocando e cantando muito. Embora não tenha falado muito é visível o poder que ele tem sobre as multidões.


35.000 felizardos urravam e pulavam embalados por uma sucessão de hits e competência musical. Que show! Para quem esperou por esse momento como esse escriba aqui, cada minuto e cada nota eram saboreados como pratos de caviar.


O show, parte do Hard Rock Calling Festival, foi o último da banda no Reino Unido após a tour de reencontro que teve 125 shows em um ano, depois de um hiato de 20 e tantos anos. No sábado, também tive o privilégio de ver Mr. Eric Clapton provar porque é (e foi) considerado Deus.


Diante de um cenário musical apagado, temos mesmo que respeitar Deus e a puliça.

domingo, 29 de junho de 2008

O lugar certo na hora errada


Qual o assento mais seguro dentro de um avião? A resposta - qualquer um perto da saída de emergência - parece ser óbvia para qualquer passageiro.Pois fique sabendo que um estudo aprofundado sobre acidentes aéreos colheu estatísticas que apenas comprovam que isso é verdade.




Um assento em uma das cinco fileiras perto da saída de emergência oferece mais chance de escapar em caso de incêndio, de acordo com pesquisadores da University of Greenwich que fez a pesquisa a pedido da Civil Aviation Authority (CAA).




A partir da sexta fileira, distante da saída, as chances de perecer aumentam consideravelmente. Ficar ou não sentado perto do corredor faz uma grande diferença, segundo o estudo.




Os cientistas colheram depoimentos de 2.000 sobreviventes em 105 acidentes aéreos ao redor do mundo. No caso de incêndio, aqueles sentados perto do corredor tiveram maior chance de sobrevivência (65%) do que aqueles sentados perto da janela (58%).Passageiros na frente da aeronave tiveram 65% de chance de escapar enquanto os sentados no fundo tiveram apenas 53% de chance.




Esses dados iniciaram um debate sobre a possibilidade das companhias aéreas começarem a cobrar um extra por assentos próximos às saídas (pois oferecem mais espaço para as pernas)ou até mesmo darem aos passageiros a oportunidade para escolherem seus assentos online.


Robert Gifford, diretor do Parliamentary Advisory Council for Transport Safety, disse: "Sua chance de sobrevivência não deve se basear na sua capacidade de pagar por um assento perto da saída de emergência ou na reserva de assento online".


O estudo analisou uma variedade de acidentes aéreos, incluindo incêndios a bordo e choque. Um desses acidentes ocorreu em 1985 no aeroporto de Manchester quando um incêndio ceifou 55 vidas a bordo de um Boeing 737 da British Airtours, devido a uma explosão na turbina. As chamas que consumiram a aeronave bloquearam algumas saídas. O estudo descobriu que os passageiros que morreram, na sua maioria, estavam sentados mais do que o dobro de distância de uma saída utilizável do que aqueles que sobreviveram.


Todos os aviões tem que passar por um teste que mostre que eles podem ser esvaziados em 90 segundos. Em testes, a tripulação ajuda os passageiros na evacuação. Mas o relatório diz que situações em testes não levam em consideração os "laços sociais" entre os passageiros(adultos tendem a ajudar crianças a escaparem) por exemplo. Além disso, saídas podem estar em desuso ou bloqueadas, e alguns dos tripulantes morreram durante o acidente.


Passageiros estiveram mais inclinados a obedecerem as instruções da tripulação em um teste do que em uma emergência. Tripulantes são treinados a evitar as filas ao redor de uma saída de emergência direcionando os passageiros para uma rota de escape menos congestionada.


Entretanto, o estudo revela que em uma situação real de emergência, onde os passageiros tenham que escolher em que direção escapar, eles ignoram as ordens da tripulação e procuram pela saída mais próxima, seguindo a lógica do "cada um por si e Deus contra todos".


Portanto, ficar perto da janela pode ser muito bom para contemplar a paisagem durante a descida e decolagem mas pode ser um tremendo esparro na hora que o bicho pega.












quarta-feira, 4 de junho de 2008

Sid Vicious em Fotos Inéditas


Foi aberta hoje em Londres a exposição "Sid Vicious - No One is Inocente", uma coleção inédida de imagens de um dos ícones do movimento punk. Registrada por Ellen Polk no final dos anos 70, as fotos revelam bastidores de shows da efêmera carreira solo de Vicious após o conturbado fim dos Sex Pistols.

Polk foi uma das amigas mais íntimas de Vicious e de sua namorada Nancy Spungen e acompanhou de perto os últimos meses de vida do casal. Sid Vicious morreu de overdose de heroína há 29 anos, quatro meses depois de Nancy ter sido encontrada morta em um quarto do famoso hotel Chelsea, em Nova Iorque.

A exposição será completa por imagens de fotógrafos renomados e ficará em cartaz na Camden´s Proud Galleries até dia 12 de agosto.

E já que o assunto é Sid Vicious, uma boa pedida é assistir ao DVD do filme Sid & Nancy, com Gary Oldman no papel do ex-baixista dos Pistols.


sexta-feira, 2 de maio de 2008

Economia brasileira em ritmo de samba

Uma reportagem do jornal britânico The Independent afirma nesta sexta-feira que a economia brasileira vive "tempos de Carnaval", após a decisão da agência de risco Standard & Poors de elevar a avaliação de crédito do país para "grau de investimento".

"Antes uma bagunça econômica até para os padrões de mercados emergentes, o Brasil registrou uma impressionante recuperação (nos anos 1990), e agora promete se tornar uma grande potência global", relata o texto, que ocupa duas páginas inteiras do jornal, em formato tablóide.

Nele, o jornalista Stephen Foley analisa por que o país – "rico em recursos naturais e com um dos setores agrícolas mais eficientes do mundo emergente" – tem atraído investimentos, e como a avaliação de risco favorável pode trazer mais recursos.

A valorização das commodities, a descoberta de petróleo no litoral, a política econômica cautelosa do governo petista e o investimento social, em especial o programa Bolsa Escola, colaboram para o que o analista chama de "longa trilha para longe da crise financeira, hiperinflação e esclerose democrática".

"O país pode finalmente estar pronto para cumprir suas promessas de potência econômica (o famoso "O Brasil é o país do futuro)", escreve o Independent.

Mas o jornalista alerta que "a questão para o Brasil deixa agora de ser a estabilidade econômica, e passa a ser o crescimento".

Ele lembra que o país é o que menos cresce entre Rússia, a Índia e a China –, que a dívida pública, embora em queda, permanece alta (cerca de 44% do PIB), e que o nível de investimentos ainda fica aquém do necessário.

Em um texto separado, o jornalista analisa a figura de Lula, cuja atuação centrista considera fundamental para explicar a concessão da nota ao Brasil.

O presidente brasileiro é definido pelo repórter britânico como "uma espécie de versão sul-americana do (ex-premiê britânico) Tony Blair, mas com uma história melhor".

Segundo a reportagem, Lula abraça a chamada Terceira Via e "passa uma sensação de confiança" para a comunidade empresarial internacional, sinal de que o Brasil não é um país hostil a investimentos.

E ainda na Europa, os principais jornais do velho continente deram destaque para a concessão do grau de investimento ao Brasil.

Para o britânico Financial Times a medida coloca o Brasil "entre os primeiros (países) da lista dos investidores", embora ainda haja temores de que a economia nacional comece a entrar em um período de alta de juros e, portanto, de menor crescimento.

O diário financeiro francês Les Echos disse que o país se "banhou em uma doce euforia" após o anúncio, referindo-se à alta de mais de 6% da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), a maior em um só dia desde 2001.

"Voluntariamente ou não, os dirigentes brasileiros procuraram dissipar o velho adágio (atribuído ao general de Gaulle e normalmente lembrado como uma brincadeira) segundo o qual 'o Brasil não é um país sério'", escreveu o jornal francês.

Já o espanhol El País lembrou que a entrada do Brasil "no clube dos países seguros" facilita que "investidores que fogem dos mercados especulativos possam investir tranqüilos no país".

domingo, 27 de abril de 2008

Os Ricos Cada Vez Mais Ricos


Um governo de esquerda em um país onde os ricos cada vez ficam mais ricos. Poderia muito bem ser aplicado ao Brasil, mas estou falando do Reino Unido.


As 1.000 pessoas mais ricas da Grã-Bretanha viram a sua riqueza quadruplicar no governo trabalhista, segundo a lista anual dos bilionários publicada hoje no The Sunday Times. Mesmo no breve governo de Gordon Brown as fortunas dos ricos cresceram em até 15%.


A riqueza coletiva dos 1.000 ricos que era de £ 99 bilhões em 1997 chegou aos £412 bilhões.


“Os 11 anos de governo trabalhista foram absolutamente fantásticos para os super-ricos", afirmou Philip Beresford, compilador da lista.


O homem mais rico do Reino Unido continua sendo o indiano Lakshimi Mittal, magnata do aço, cuja fortuna saltou dos 19.25 bilhões de libras em 2007 para os £27.7 bilhões esse ano.Mittal é agora o sexto homem mais rico do mundo. Recentemente, em sociedade com o magnata da Fórmula 1, Bernie Ecclestone e Fábio Briattore, Mittal adquiriu o Queen´s Park Rangers, time de futebol da Segunda Divisão inglesa.


Mittal é seguido por Roman Abramovich (foto), o oligarca russo dono do Chelsea, que possui uma fortuna avaliada em £11.7 bilhões e pelo Duque de Westminster com £7 bilhões.


A lista, que inclui pessoas que nasceram ou estão baseadas no Reino Unido, revela que os nativos britânicos estão sendo ultrapassados pelos bilionários estrangeiros. Apenas seis do Top 20 nasceram na Grã-Bretanha.


Os bilionários estrangeiros estão fazendo de Londres uma das capitais globais para uma superclasse móvel. O ricaço que conseguiu subir mais posições na lista foi Alisher Usmanov, outro oligarca da antiga União Soviética, que possui negócios no ramo da mineração, aço, mídia e finanças. Um aliado próximo do ex-presidente russo Valdimir Putin, Usmanov, vale hoje £5.7 bilhões, e hoje é o maior acionista do Arsenal FC.


E os oligarcas soviéticos estão com tudo e não estão pra prosa, Leonard Blavatnik, um russo que fez fortuna com o petróleo, ocupa a décima-primeira posição na lista e possui uma mansão em Londres, avaliada em 41 milhões de libras. Haja dinheiro! Uma outra novidade na lista e oriunda da terra da vodka é Vladimir Kim, que comanda a mineradora Kazakhmys com sede em Londres. Kim é dono de uma fortuna avaliada em £2.9 bilhões.


A coisa tá ficando russa por essas bandas.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

O dilema de Cruyff


Sequestradores tiraram Cruyff da Copa de 1978.

A decisão de Johann Cruyff de não ir à Copa de 1978 World Cup por muito tempo foi atribuída à sua relutância em fazer propaganda para a junta militar que governava a Argentina, país anfitrião do torneio, naquela época.


Depois de quase trinta anos, o craque holandês finalmente revelou que havia um outro motivo em sua recusa em viajar até a terra de "los hermanos": uma tentativa de sequestro onde ele e sua família foram ameaçados de morte.

Cruyff disse à Rádio Catalunya que a tentativa de sequestro ocorreu em Barcelona, onde o craque jogava, em 1977. "Eu tive um rifle apontado para minha cabeça. Eu, minha esposa e meus filhos fomos amarrados no nosso apartamento em Barcelona".

O maestro holandês não explicou como o sequestro terminou mas disse que sua casa ficou obre proteção policial durante quatro meses e que policiais acompanhavam a ida e a volta dos seus filhos da escola. A preocupação com o bem-estar da família significou que ele não se sentia capaz em ajudar a Holanda na Copa.

"Para jogar uma Copa do Mundo você tem que estar 200%," disse Cruyff. "Há momentos em que existem outros valores na vida", filosofou o camisa 14 da Laranja Mecânica.

Cruyff, aclamado como um dos melhores jogadores da sua geração. comandou a Holanda à final da Copa de 1974, onde só perderam a final para os alemães. Ele se aposentou da seleção holandesa em 1977 após ajudar o seu país a se classificar para a Copa de 1978 onde, sem ele, a Holanda chegou à final, novamente perdendo para os anfitriões.

Agora resta a pergunta: Será que os sequestradores eram argentinos?

Em 1974, Cruyff marcou 2 gols na goleada holandesa de 4x0 sobre os argentinos pela segunda fase da Copa. Com ele em campos portenhos, talvez o desfecho fosse outro.

terça-feira, 15 de abril de 2008

A Tragédia de Hillsborough


O Liverpool lembra hoje em uma cerimônia o 19º aniversário da tragédia de Hillsborough, em Sheffield, que matou 96 torcedores do clube inglês.
Como já é tradição, o Grupo de Apoio às Famílias de Hillsborough organizou uma cerimônia que será realizada no estádio Anfield, na área conhecida como "The Kop", no qual as vítimas serão lembradas.


Para tentar entender o ocorrido é necessário voltar no tempo. Hillsborough é o estádio do Sheffield Wednesday, que atualmente briga para não cair para a Terceira Divisão do futebol inglês. Naquele 15 de abril de 1989, o Liverpool enfrentava o Nottingham Forest pela semi-final da FA Cup (Copa da Inglaterra). A FA Cup, é a competição entre clubes de futebol mais antiga do mundo, e será abordada por este blog mais para frente.

Tradicionalmente os confrontos da FA Cup são definidos em sorteio e apenas se realiza um jogo. Caso haja empate, ocorre nova partida no campo do visitante do jogo que terminou empatado. Na fase de semi-final, joga-se em campo neutro, como foi o caso em 1989.

Na fatídica partida a superlotação no acanhado estádio e a falha do policiamento em conter a multidão foram fatores primordiais que concorreram para a tragédia. A partida foi paralisada ainda no primeiro tempo. Essa tragédia foi um marco no futebol inglês: depois dela todos os estádios no Reino Unido foram obrigados a terem assentos marcados e a retirarem os alambrados.

Naquele tempo, a maioria dos estádios possuiam alambrados separando os espectadores do gramado. Era uma maneira de conter os hooligans que por muito tempo bagunçaram os coretos Grã-Bretanha a fora. Os hooligans, muito violentos na Inglaterra, adoravam uma invasão de campo e arremesar rojões nos adversários. Esse tipo de prática vinha ocorrendo desde os anos 60.

O Hillsborough Stadium era uma sede regular das Semi-Finais da FA Cup durante os anos 80, abrigando um total de cinco partidas. Um incidente parecido havia ocorrido 8 anos antes, durante a semi-final entre Tottenham Hotspur x Wolverhampton Wanderes, em 1981, que teve o saldo de 38 feridos. Em resposta ao ocorrido, o Sheffield Wednesday tratou de alterar o desenho de parte da arquibancada conhecida como Leppings Lane End, dividindo em três partes distintas. Três anos mais tarde, alterou-se para cinco partes quando Os Corujas (como é conhecido o Wednesday) ganhou o acesso à Primeira Divisão.

Liverpool e Nottingham Forest se encontraram na mesma fase de semi-final no mesmo estádio pela mesma competição um ano antes, tendo muitos torcedores do Liverpool contando sobre incidentes na Leppings Lane End, o que gerou num protesto do Liverpool jquando da definição do Hillsborough como sede da partida.
O estádio reservara a Leppings Lane End para a torcida do Liverpool. O pontapé inicial seria as 3 da tarde, tradicional horário de futebol por essas bandas. Os torcedores foram orientados a ocuparem seus assentos quinze minutos antes do início do jogo. Rádio e Tvs avisavam aos torcedores sem ingresso que não tentassem entrar sem um ingresso válido.

Entre 2:30 e 2:40, havia um número considerável de torcedores numa pequena área próxima às borboletas de entrada, todos queriam entrar no estádio rápido antes do começo da partida. Um gargalo se formou com mais torcedores chegando. Aproximadamente 5.000 torcedores estavam tentando passar pelas borboletas. Preocupada com a segurança do lado de fora do estádio, a polícia decidiu abrir alguns portões. Isso levou a um corre-corre entre os torcedores.


Milhares de torcedores tiveram que passar por um túnel estreito no fundo das arquibancadas e foram parar no meio de duas sessões, já superlotadas, das mesmas, causando tumulto no começo da arquibancada, onde as pessoas eram prensadas contra o alambrado. As pessoas que entravam não sabiam dos problemas na região dos alambrados - geralmente a polícia ou funcionários dos estádios bloqueavam as sessões que já estavam cheias e encaminhariam os torcedores para outras partes, mas naquele dia eles não o fizeram, por motivos que nunca foram totalmente explicados.


Por algum tempo, a confusão não foi notada por ninguém, a não ser, é claro, pelos afetados. As atenções estavam voltadas para a partida, que já havia começado. Foi só depois de decorridos 6 minutos que o árbitro foi avisado pela polícia e parou a partida. Alguns minutos depois torcedores começaram a escalar o alambrado para fugir do pesadelo. Um pequeno portão no alambrado foi arrombado e alguns torcedores escaparam por essa rota. Outros continuaram a escalar o alambrado enquanto outros eram socorridos pela torcida que estava na West Stand, que ficava diretamente acima da Leppings Lane.


O aperto era tamanho que muitos torcedores morreram em pé. O gramado rapidamente começou a encher de pessoas suando e procurando respirar e, principalmente, de corpos. A polícia, funcionários do estádio e o serviço de ambulância presentes ao estádio estavam sobrecarregados. Os torcedores que não estavam feridos ajudavam no melhor que podiam, com muitos realizando massagem cardíaca e respiração boca-a-boca. Outros utilizavam as placas de publicidade como macas improvisadas.


Um total de 94 pessoas morreram no dia, com 766 feridos, 300 dos quais hospitalizados. Quatro dias depois, o número de mortos subiu para 95, quando Lee Nicol, de 14 anos não resistiu aos ferimentos. O saldo final chegou a 96 em março de 1993, quando Tony Bland morreu após permanecer em coma por quase 4 anos.

Com a partida sendo transmitida pela BBC, o desastre foi assistido por uma enorme audiência causando um impacto emocional sem precedentes na população britânica.

Um monumento em tributo aos que perderam suas vidas na tragédia se encontra no estádio do Liverpool, Anfield. Um outro monumento foi construído em 1999 no próprio Hillsborough. Há também uma homenagem em forma de placa na calçada no lado sul da Catedral de Liverpool.

Após o desastre foi aberto um inquérito, que recebeu o nome de Taylor Report (Relatório Taylor) em referência à Lord Taylor (que presidiu o inquérito). O inquérito durou 31 dias e foi dividido em dois relatórios: um que abordava as conclusões imediatas e o relatório final que estabelecia recomendações gerais sobre a segurança nos estádios de futebol.Como resultado do Taylor Report, alambrados e cercas foram removidos dos estádios e todos foram convertidos para que o público assistise aos jogos sentado.


O relatório apontou como principal causa do desastre a falha da polícia em controlar a multidão. Os dois policiais que comandaram a desastrosa operação não foram condenados. Tudo acabou em pizza. Até parece o nosso Brasil.

Voltando ao presente, o ato em homenagem aos 19 anos da tragédia contará com a participação do técnico Rafael Benítez e de vários jogadores e diretores do clube, os presentes guardarão um minuto de silêncio, antes de cantarem juntos a música "You'll Never Walk Alone", considerada o hino do Liverpool.O clube acenderá uma vela para cada um dos 96 mortos na tragédia.




sexta-feira, 28 de março de 2008

Cada Um Tem O Caos Aéreo Que Merece!


Quem acha que caos aéreo só existe no Brasil pode tirar o cavalinho da chuva. O caos reinou absoluto no primeiro dia de funcionamento do Terminal 5 - o mais novo terminal do aeroporto de Heathrow, que custou 4,3 bilhões de libras.


Apenas a British Airways irá operar no terminal e a empresa já admitiu que o caos deverá adentrar pelo fim de semana após admitir uma série de lambanças.A BA está enfrentando a ira de passageiros em férias e em viagem de negócios que dizem que o novo terminal é uma "vergonha nacional".


Alguns chegaram a dizer que sentem "vergonha de serem britânicos" depois que ocorreram brigas entre passageiros à medida que vôos eram cancelados ( um quinto dos vôos previstos, ontem, foram cancelados).


As principais causas do fracasso foram:


1) Falta de vagas no estacionamento para os funcionários que fazem a triagem e carregam as bagagens até os aviões. Muitos funcionários ficaram dirigindo ao redor do aeroporto procurando por um lugar para estacionar enquanto os passageiros chegavam para fazer o check in.


2) Seguranças insuficientes para deixar que os funcionários descritos acima tivesse acesso ao terminal.


3) Erro na programação de dados do sistema que monitora as bagagens.


4) Treinamento inaquedado dos funcionários que processam as bagagens. Eles simplesmente não sabiam para onde deveriam levas as malas.


À medida que o caos avançava para o segundo dia, o chefe-executivo da BA Willie Walsh "jogou a toalha" e admitiu que a hora não é das melhores e que mais cancelamentos serão inevitáveis. Muito pedem a cabeça de Walsh mas ele, ainda, não renunciou em meio ao caos instaurado.


Meus amigos, o fato é que quando um ou mais vôos são cancelados acontece um efeito dominó e a depender da organização pode levar tempo para que as operações sejam normalizadas. Só fui entender o caos aéreo brasileiro depois que compreendi o funcionamento de um aeroporto.


Uma fonte disse que as malas que vieram no primeiro avião que chegou ao terminal e que veio de Hong Kong, só foram descarregadas porque os gerentes da BA literalmente "arregaçaram" as mangas e fizeram o serviço pesado na ausência de staff.


O engraçado é que foram realizados inúmeros testes para checar o funcionamento do terminal e parece mesmo que foi tudo em vão. Já tinha ouvido de funcionários da BA que muitos problemas iriam acontecer. Dito e certo.


As falhas são tão graves que a planejada transferência de mais vôos que a BA ainda opera no Terminal 4 foi colocada em cheque. Em pensar que, há duas semanas atrás, a BAA (empresa que administra Heathrow) se gabava do terminal e do seu moderno sistema de bagagem, dizendo que funcionaria perfeitamente na sua abertura.


A situação é tão vexatória que as ações da British Airways tiveram uma queda de 3% na bolsa de Londres (uma perda em torno de £90milhões do valor da companhia).


Segundo um analista, "O que está por trás disso tudo é que tanto a BA como a BAA foram incrivelmente complacentes com Terminal 5. Você tem que dar sangue para que um projeto desse dê certo e eles nao fizeram isso".


Ontem à noite, centenas de passageiros tiverem que dormir no terminal após terem esperado mais de seis horas por suas malas. Foram distribuídos cobertores, travesseiros e água mineral.

O bicho pegou quando alguns passageiros ficaram sabendo que 75 vôos que sairiam hoje foram cancelados, alguns pela segunda vez em 24 horas.


O fiasco que rapidamente se tornou uma vergonha nacional fez com que passageiros perguntassem como o Reino Unido irá conseguir sediar as Olimpíadas de 2012 se não consegue fazer um terminal funcionar.